5 passos que podem ajudar a mudar os altos índices de cesarianas no Brasil.

kejsersnit_komplikationer_senere.jpg

Quando o assunto é o alto índice de cesarianas no Brasil um dos únicos argumentos explorados pela maioria de nós é o famoso: "A culpa é do outro?".


"O problema é o sistema de saúde".

"A culpa é dos médicos".

"Que droga de governo".


Porém, confesso que não estou mais satisfeita com estas desculpas.

Já estamos vendo o resultado de sempre passar a responsabilidade para o outro em todos os problemas que vivenciamos no Brasil.

Agora aviso, este post será desconfortável de ler e foi extremamente desconfortável de escrever, pois, mesmo sendo Doula de Parto, eu também me coloco como vítima diante destas realidades.

Muitas vezes, para poupar minhas clientes ou a mim mesma, tento minimizar o impacto que isso tem na minha e na vida das pessoas.

Esse post não serve para julgar e sim para despertar discussões saudáveis de como nós podemos mudar esta triste realidade considerando que Cientificamente existe comprovação do que seria o mais adequado para proteção da saúde materna e infantil.


Vamos aos passos:

#1. "Se você não sabe onde quer chegar, chegará a qualquer lugar":

Escuto diariamente mulheres dizendo que não querem saber de nada em relação ao parto ou a cesariana e que, na hora, o que importa é que o bebê e ela estejam saudáveis. Porém, somente depois do fato elas se dão conta de que sofreram violência obstétrica, tiveram uma cesariana desnecessária ou o parto foi mais sofrido do que deveria ser. Quando conhecemos o nosso corpo, quando conhecemos os procedimentos, temos poder sobre a experiência. Quanto mais as mulheres se derem conta disso, mais os hospitais, profissionais da saúde, governo e etc se darão conta de que eles nos devem respeito, pois sabemos onde queremos chegar.

#2. "A chave para a sabedoria é isso - questionar constante e frequentemente pois ao duvidar, somos levados a questionar e, ao questionar, chegamos a verdade":

Saiba o que perguntar. Repito: saiba o que perguntar!

Busque fontes de informações atualizadas e embasadas. Os melhores atendimentos que eu tenho são com pessoas que se informaram antes. Por que? Pois estas pessoas sabem sanar suas dúvidas e se sentem mais confiantes quando questionam o profissional que está lá para servi-las.

#3. "Na busca da verdade, você tem que conhecer os dois lados de uma história":

Não existe certeza de que você, mesmo se preparando, terá um parto normal. Da mesma forma que não existe certeza de que, mesmo você escolhendo, terá uma cesariana. Em ambos os casos, existem muitos fatores variáveis. Você pode ter algum problema e, após horas de trabalho de parto, isso resultar em uma cesariana, como você pode agendar uma data e horário para uma cesariana e seu bebê decidir vir antes dentro do carro. Independente da sua escolha, é importante que você não seja passiva neste processo. Conheça os dois lados da moeda, saiba como seu corpo funciona, como ele pode reagir a medicamentos ou a alterações hormonais. Tudo isso irá te ajudar no pós-parto e também nos momentos de cuidar do seu bebê. Se você é o acompanhante, (marido, companheira, mãe, amigo/a), compartilhe desta responsabilidade.

#4. "Levante-se diante dos seus obstáculos e faça algo sobre eles. Você vai descobrir que eles não têm metade da força que você acha que eles têm":

Em muitos casos, temos resistência quando nos damos conta de que o profissional que escolhemos para nos ajudar neste momento tão especial não é quem imaginávamos. Mesmo assim, digo e repito, se você não está feliz, mesmo que seja em cima do laço, procure outra pessoa para te amparar. Nós nos deixamos levar pela praticidade ou por conhecermos a pessoa por muito tempo, porém aquela pulguinha atrás da sua orelha é um fator que deve ser respeitado. Não ignore o seu instinto! Quando necessário, brigue por seu ponto de vista e não se deixe levar.

#5. "Se você pudesse chutar a pessoa responsável pela maior parte do seus problemas, você não se sentaria por um mês":

Precisamos nos dar conta de que somos responsáveis por tudo o que acontece em nosso país, incluindo os altos índices de cesarianas e violência obstétrica. Esperar por mudança é fácil; mudar é difícil. Sei que dói ouvir isso, porém precisamos nos ajudar. Dinheiro não é mais um fator determinante para obtermos conhecimento. A internet tornou isso acessível a todos. O que nos falta como nação é vontade de mudar! É entender que, se uma pessoa faz a diferença, imagine muitas.


Vamos nos ajudar!

Compartilhe este post se você acredita que pode mudar esta realidade.